Dentistas pedem diminuição de atendimentos em unidades de saúde do Estado e Município

Dentistas pedem diminuição de atendimentos em unidades de saúde do Estado e Município

Profissionais reclamam que medidas de prevenção ao Covid-19 não teriam atingido a Clínica Sorrir, do Governo; e as unidades de Saúde da Família, da Prefeitura

Com o objetivo de preservar a saúde dos profissionais e da sociedade em geral, diante do agressivo potencial de transmissão do coronavírus, na quarta-feira (18), o Conselho Regional de Odontologia do Estado do Maranhão (CRO-MA) enviou às secretarias municipal e estadual de Saúde, São Luís e Maranhão, um ofício pedindo que fosse feita a redução do número de atendimentos por turno, em cada unidade de saúde municipal e estadual, onde haja atendimento odontológico, para no máximo três pacientes. Ontem (19), o presidente do CRO, Rafael Avellar de Carvalho Nunes, afirmou ao Jornal Pequeno que a queda nos atendimentos somente está acontecendo porque o paciente estaria com medo de sair de casa, e não por atitudes governamentais. Na manhã dessa quinta-feira (19), a equipe do JP esteve na Clínica Sorrir (de responsabilidade do Estado), localizada em frente ao Terminal de Integração da Praia Grande, na Avenida Vitorino Freire, e na Unidade de Saúde da Família (de responsabilidade da Prefeitura de São Luís), localizada na Rua das Paparaúbas, no bairro do São Francisco. Nestas duas unidades, não havia aglomerações. Porém, o número de pessoas nas dependências destes locais com atendimento odontológico era (elevadamente) superior à contagem de três pacientes. Além da Unidade de Saúde da Família visitada pela reportagem, também estariam na mesma a situação as do Turu, da Vila Nova

e o Posto Bezerra de Menezes, entre outras. De acordo com Rafael Avellar de Carvalho Nunes, após o envio do ofício, a Clínica Sorrir informou ao CRO-MA que “não diminuirá ou vai parar o atendimento”. E que os funcionários da Sorrir estão “afastando cadeiras da recepção”, como uma medida de prevenção ao coronavírus. “Acontece que, o risco principal para o profissional de odontologia é durante o atendimento”, informou Rafael Avellar. Segundo o presidente do CRO, a Prefeitura de São Luís até a manhã de ontem ainda não tinha se manifestado, em relação ao ofício do Conselho Regional de Odontologia. “Algumas cidades nos comunicaram que estão suspendendo o atendimento e deixando somente o dentista de plantão em casa pra emergência e urgência. O que é o correto. O

Estado não alterou em nada os procedimentos nas clínicas e, sequer, diminuiu o número de marcações. A odontologia é uma das profissões que está vulnerável. Estamos intensificando a fiscalização, e se o Senado aprovar o estado de calamidade, iremos até o Judiciário para defender os profissionais da área”, declarou Rafael Avellar. Sobre as fiscalizações, o presidente do CRO-MA informou ao JP que há fiscais do Conselho visitando unidades de saúde, e realizando notificações. Rafael disse que a ideia é ingressar com uma denúncia no Ministério Público e na Justiça Federal. “Os diretores das clínicas com atendimento odontológico do Município e do Estado estão colocando em risco os profissionais e a população no geral, pois com o grande número de atendimento é impossível fazer a desinfecção correta dos

equipamentos, tendo em vista que o álcool 70% precisa ficar em contato por cerca de dez minutos, pra eliminar o coronavírus, por exemplo”, informou Rafael. De acordo com o ofício, uma das atribuições do Conselho Regional de Odontologia do Maranhão,nos termos da Lei 4.324/64, é promover por todos os meios ao seu alcance o perfeitodesempenho técnico e moral de odontologia, da profissão e dos que a exerçam. No ofício também está escrito que estudos publicados no jornal The New YorkTimes, informam que a Odontologia é a profissão com maior risco de contaminação. E cita que existem condições precárias de trabalho em alguns postos de saúde, onde há atendimento odontológico e dificuldade na aquisição de insumos de biossegurança, como álcool e máscaras. OUTRO LADO Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informou que será publicada uma normativa específica, para regular os atendimentos odontológicos, nas unidades de saúde da rede municipal. Também em nossa, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que, a partir de ontem (19), haveria redução do número de atendimentos na Unidade de Especialidades Odontológicas do Maranhão – Sorrir. A medida, segundo a nota, faz parte das ações práticas de prevenção e combate ao novo coronavírus (Covid-19). A SES comunicou, ainda, que os casos de urgência continuarão sendo atendidos normalmente.

Deixe uma resposta

Fechar Menu